1 de out de 2014

E se eu não gostar de política?

2014 tá aí, acabando por falar nisso (daquelas: onde eu estive durante todo esse tempo?), e é ano de eleição.
Aquele ano goxxxtoso, onde a gente faz "aleluia" (alguém ainda lembra disso?) com panfletinho de candidato, joga pro ar comemorando como se fosse ano novo, carnaval, onde tem tanto jingle ma-ra-vi-lho-so que gruda na nossa cabeça, onde o bueiro entope com tanto papelzinho de candidato "ficha limpa" rs com as chuvas, quer dizer, er, volta, não entope porque mal tem água! Onde a gente faz maratona com obstáculos ao andar em algumas calçadas, onde paramos o que estamos fazendo, e sentamos no sofá, contentes e felicíssimos por estar assistindo a mais um horário político...
Na boa, e na minha maior sinceridade: não gosto de política. Não gosto mesmo. Mas gosto é gosto, não se discute, da maneira que cada um tem o seu. Mas como toda pessoa no mundo, a gente sempre acaba fazendo alguma coisa que não goste. Por isso, no nosso caso aqui no Brasil, já que aqui o voto é obrigatório (com toda aquele lance da idade, claro, inclusive, esta é a minha primeira eleição), este é o meu caso.
Não é porque eu não gosto, que não vou exercer essa função. Até porque isso de alguma maneira pode me prejudicar num futuro próximo (ainda não entendi muito bem isso, procurarei me manter mais informada). É tudo uma questão de equilíbrio.
Sempre vai ter uma pessoa pra fazer o trabalho que não queremos fazer, ou mais importante ainda, que não sabemos fazer!
Se eu quero ter uma loja de roupas, e não tenho o perfil de vendedora por ter uma característica sincera demais, já tá mais do que na cara que isso não vai dar muito certo não é mesmo? Ou seja, precisarei de uma pessoa com os requisitos necessários e o perfil adequado ao o que eu estou necessitando. Assim como se eu não soubesse lidar com a parte financeira da loja, precisaria de uma pessoa especializada nisso, e assim por diante...
Imagina eu, que já não gosto de política, tendo que exercer um cargo onde eu tenho que fazer isso? Meio improvável.
É por isso que, por mais que eu, Isabella Dantas (digo isso em meu nome porque não quero falar por ninguém já que isto é apenas uma forma de expressar o meu pensamento), não goste de política, acho muito bacana o ato de pesquisar, se aprofundar um pouco mais na vida de uma pessoa pra formar uma opinião, sobre se achamos que esta pessoa será apta e capaz de, no caso desse ano, governar o país em que vivemos.
Por isso é algo de suma importância. Não é algo que não está inserido em nossas vidas, simplesmente nascemos e isto já existia, e pelo menos por enquanto, conviveremos com isso durante um bom tempo.
Desta forma, mesmo que você odeie com todas as suas forças a política, faça um esforcinho e não vote em qualquer candidato. Pesquise, veja os planos de governo, seu passado, converse, debata com amigos se for possível e vote no candidato que VOCÊ achar que é melhor. Opiniões de outras pessoas nem sempre vão refletir no que você espera que o país se torne e melhore.
Domingão tá praticamente aí. Então, já tem os seus candidatos em mente?
Não esquece da "colinha" pra ajudar.
Mais um texto tagarelando um pouco sobre mais alguma coisa...
Um beijo grande pra todo mundo, bom final de semana <3

Nenhum comentário:

Postar um comentário